Uma abordagem preliminar sobre governança e unidade de conservação na fronteira entre Brasil e Bolívia

  • Adria Macedo
  • Ligia T. Lopes Simonian

Abstract

A questão central do presente estudo se delimita na compreensão de como os atores sociais que participam direta ou indiretamente do processo de governança do Parque Estadual de Guajará-Mirim, da Estação Ecológica Taiamã, e do Parque Nacional Noel Kempf Mercado- BO, articulam-se e viabilizam ações coletivas e pontuais a fim de impactar positivamente na gestão dessas áreas em vista à conservação da biodiversidade. Portanto, o artigo trata dos processos de governança ambiental em Áreas Protegidas (AP) e em seus entornos, assentadas na região fronteiriça entre Brasil e Bolívia. Objetiva-se dessa forma, analisar, comparativamente, a construção da governança ambiental sob a perspectiva da ação coletiva em AP a considerar, principalmente, o que é realizado por diversos atores sociais no tocante a conservação e a construção da governança ambiental sob a perspectiva da participação de atores sociais. Ainda nessa perspectiva, pretende-se investigar o processo de gestão e os possíveis problemas tangentes a estas UC e aos entornos que interferem na conservação ambiental. As bases metodológicas desta atividade se sustentam na pesquisa qualitativa – pesquisa de campo e observação participante – a ter como auxílio fontes documentais e bibliográficas. Concluiu-se, em síntese, que a construção desse projeto de investigação se deu a partir da aproximação com o campo de observação para uma melhor definição do tema, delimitação do problema e formulação da hipótese.

Downloads

Download data is not yet available.

References

Acosta, A. (2016). O Bem Viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. Tradução de Tadeu Breda. São Paulo: Au¬tonomia Literária/Elefante. p. 264.

Alcantara, L. C. S.; Sampaio, C. A. C. (2017). Bem Viver como paradigma de desenvolvimento: utopia ou alternativa possível? Desenvolvimento e Meio ambiente, v. 40, p. 231-251, abril. DOI:10.5380/dma.v40i0.48566.

Allegretti, M. (1994). Políticas para o uso dos recursos naturais renováveis. In: Sachs, I.; Clusener-Goldt, M. (Org.). Extrativismo na Amazônia brasileira: perspectivas sobre o desenvolvimento regional. Paris: compêndio MAB 18 UNESCO. p. 14-31.

Araújo, M. N. F. (2015). Governança ambiental e turismo – Análise dos parques nacionais: Amazônia, Chapada das Mesas (Brasil) e Tortuguero (Costa Rica). 2015. 375 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido) - Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém.

Babbie, E. (2003). Métodos de pesquisa de survey. Belo Horizonte: UFMG. p. 519.

Borrini-Feyerabend, G.; Hill, R. (2015). Governance for the conservation of nature. In: Worboys, G. L. et al. (Org.). Protected área, governance and management. ANU Press. p. 170-206. Ilustrado.

Brasil. (1981). Política Nacional do Meio Ambiente – PNM. Lei nº 6.938, de 31 de agosto. Disponível em: . Acesso em: 20 de fev. 2018.
¬¬
¬¬¬Brasil. (2000). Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC. Lei n. 9.985, de 18 de julho. Disponível em: . Acesso em: 12 de fev. 2018.

Fedreheim, G. E.; Blanco, E. (2017). Co-management of protected areas to alleviate conservation conflicts: experiences in Norway. Disponível em: . Acesso em 03 de abril de 2019.

Fonseca, I. F.; Bursztyn, M. (2009). A banalização da sustentabilidade: reflexões sobre governança ambiental em escala local. Sociedade e Estado, Brasília, v. 24, n. 1, p. 17-46, jan./abr.

Gudynas, E. (2011). Buen Vivir: Today’s tomorrow Development. Society for International Development 1011-6370/11. p. 441-447. Disponível em: . Acesso em: 13 de fev. 2018.

IBGE-Cáceres. (s. d.). Disponível em: . Acesso em: 16 de fev. 2018.

Jacobi, P. R. (2012). Novos paradigmas, práticas sociais e desafios para a governança ambiental. São Paulo: Annablume; IEE-USP; PROCAM-USP; FAPESP. (Coleção Cidadania e Meio Ambiente).

Jacobi, P. R.; Sinisgalli P. A. de A. (2012). Governança ambiental e economia verde. Ciências & Saúde Coletiva, v. 17, n. 6, p. 1469-1478.

Macêdo, J. A. C. (2008). Avaliação da gestão participativa dos parques estaduais da Bahia. 188 f. Dissertação (Mestrado em Política e Gestão Ambiental) - Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Menezes, M. (1994). As reservas extrativistas como alternativas ao desenvolvimento na Amazônia. In: Arnt, R. (Org.). O destino da floresta: reservas extrativistas e desenvolvimento sustentável na Amazônia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará. p. 49-72.

Mertens, F.; Távora, R.; Fonseca, I. F.; Grando, R.; Castro, M.; Demeda, K. (2011). Redes sociais, capital social e governança ambiental no Território Portal da Amazônia. Revista Acta Amazônica, v. 41, n. 4, p. 481 – 492.

Simonian, L. T. L. (2018). Políticas públicas e participação social nas Reservas Extrativistas amazônicas: entre avanços, limitações e possibilidades. Desenvolv. Meio Ambiente, v. 48, Edição especial: 30 Anos do Legado de Chico Mendes, p. 118-139, novembro.

Simonian. T. L. L. (2007). Tendências recentes quanto à sustentabilidade no uso dos recursos naturais pelas populações tradicionais amazônidas. In: Aragón, L. E. (Org.) Populações e meio ambiente na Pan-Amazônia. Belém: NAEA; UFPA. p. 15-52.
Published
2019-11-21
How to Cite
Macedo, A., & Lopes Simonian, L. (2019). Uma abordagem preliminar sobre governança e unidade de conservação na fronteira entre Brasil e Bolívia. Amazonia Investiga, 8(24), 604-614. Retrieved from https://amazoniainvestiga.info/index.php/amazonia/article/view/1020
Section
Dossier