Políticas públicas, desenvolvimento sustentável e turismo na Tríplice Fronteira Brasil, Colômbia e Peru

  • Paulo Moreira Pinto
  • Ligia T. Lopes Simonian
  • German Alfonso Palacio

Abstract

Neste artigo, faz-se uma reflexão teórica sobre as políticas públicas de turismo e as suas implicações para a implementação do desenvolvimento sustentável e da gestão local em áreas protegidas localizadas na tríplice fronteira do Brasil, da Colômbia e do Peru. Trata-se de uma análise comparativa sobre os processos de inserção da participação comunitária na gestão local e suas repercussões em políticas públicas de turismo. Parte-se da premissa de que as políticas públicas de turismo se encontram envoltas na centralidade do poder constituído espelhando suas ações e decisões. Observa-se que as modalidades novas de se realizar o deslocamento turístico, sobretudo as que estão ligadas ao uso dos recursos naturais, como o realizado em áreas protegidas, baseiam-se na sustentabilidade biossociocultural como maneira de mitigar os impactos negativos do turismo. O território fronteiriço do Brasil, Colômbia e Peru demonstra ser um campo fértil para se observar, por analogia, as diferenças e similaridades das políticas públicas de turismo e a sua absorção ou não, pelas populações locais. As categorias de análise escolhidas – políticas públicas de turismo, desenvolvimento sustentável e gestão local – permitem unificar problemas que aparentemente se escondem nas diferenças existentes, subordinadas ao aparato ideológico de cada país. Embora permaneçam muitas semelhanças histórica e socialmente construídas como, por exemplo, as características de constituição populacional, as lutas travadas por reconhecimento de direitos ainda é realidade que pressiona o Estado e as suas instituições. As comunidades indígenas que habitam o interior ou entorno dessas áreas protegidas buscam ser incluídas nos processos de participação para fazer frente a lutas por direitos historicamente usurpados. Resultado disso é a criação de um aparato legal e de instâncias de gestão com perspectivas de resistência, mas que também possibilitam a abertura de fronteiras tencionadas e propensas a todo o tipo de conflito e violências.

Downloads

Download data is not yet available.

References

Araujo, C. M., Taschner, G. (2012). Turismo e políticas públicas no Brasil. En: M. C. Beni. (Org.). Turismo: planejamento estratégico e capacidade de gestão: desenvolvimento regional, rede de produção e clusters (pp. 69-86). Barueri, SP: Manole.

Becker, B. K. (2004). Amazônia: mudanças estruturais e tendências na passagem do milênio. En: A. D. Mendes (Org.). Amazônia, terra e civilização: uma trajetória de 60 anos. Belém, PA: BASA.

Beni, M. C. (2006). Política e planejamento de turismo no Brasil. São Paulo, SP: Aleph.

Bobbio, N. (2002). Política. En: N. Bobbio, N. Matteucci, G. Pasquino. Dicionário de política (p. 10). 12 Ed., v. 2. Brasília: EdUnB.

Boullón, R. C. (1993). Ecoturismo: sistemas naturales y urbanos. Buenos Aires, AR: Librerías Turísticas.

Brasil. Lei n. 6.634, de 2 de maio de 1979. Dispõe sobre a Faixa de Fronteira, altera o Decreto-Lei n. 1.135, de 3 de dezembro de 1970, e dá outras providências. Brasília, DF: Casa Civil.

Carvalho, C. L. (2009). Políticas públicas no turismo brasileiro: a cidade de São Paulo e a construção de sua identidade turística (Tese de Doutorado). Faculdade de Ciências da Comunicação, Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

Contreras, J. L.; Arcila, M.; Vargas, A. B. G. (2008). Políticas públicas y turismo en las regiones rurales de Antioquia, Colombia: aproximaciones desde el enfoque de sistemas productivos territoriales y redes institucionales. Cuadernos Desenv. Rural, v. 5, (61), pp. 169-193. Recuperado de http://www.revistas.javeriana.edu.co/index.php/desarrolloRural/article/.../698

Copobianco, J. P. (1996). As unidades de conservação no Brasil: aspectos gerais, experiências inovadoras e a nova legislação (SNUC). Documentos do ISA, (1).

Diégues, A. C. S. (1994). O mito moderno da natureza intocada. São Paulo, SP: NUPAUB.

Esterci, N. (2005). Populações tradicionais. Instituto Socioambiental. Recuperado de http://www.isa.com.br

Ferraz, J. A. (2012). Políticas públicas e planejamento estratégico em clusters de turismo: dimensão jurídica. En: M. C. Beni. (Org.). Turismo: planejamento estratégico e capacidade de gestão: desenvolvimento regional, rede de produção e clusters (pp. 317-330). Barueri, SP: Manole.

Galdino, L. C. F.; Costa, M. L. (2011). Análise das principais políticas públicas de turismo no Brasil, da década de 1990 à atualidade. Revista do Observatório de Inovação do Turismo, v. VI (3), pp. 1-24.

González Herrera. M. (2008). Puesta en valor turístico sustentable de la Amazonia Peruana. Revista Teoría y Praxis, (5), pp. 247-267.

Governo da Colômbia. (2008). Política Nacional de Turismo. Plan Sectorial de Turismo 2008-2010. Bogotá: MINCIT. Recuperado de http://www.mincit.gov.co/paginas/descargar.php

Grimm, I. J., Sampaio; C. A. C.; Greuel, M. C.; Cerveira, J. L. Fº. (2013). Politicas publicas do turismo e sustentabilidade: a interrelação na esfera nacional, estadual e local. Revista Turismo e Ação, (1), pp. 95-111.

Instituto Brasileiro de Turismo. (2002). Retratos de uma caminhada: PNMT 8 anos. Brasília, DF: EMBRATUR.

Lená, P.; Oliveira, A. E. (1992). A fronteira agrícola 20 anos depois. Belém, PA: CEJUP, MPEG.

Lindberg, K.; Hawkins, D. E. (1999). Ecoturismo: um guia para planejamento e gestão. São Paulo, SP: Senac.

Machado, L. O. (1995). A fronteira agrícola na Amazônia brasileira. En: A. Christofoletti, B. K. Becker, F. R. Davidovich; P. P. Geiger (Orgs.). Geografia e meio ambiente no Brasil. São Paulo, SP: Hucitec.

Martín, M. M. C.; Guerra, R. P. (2013). Comentarios a la Ley General de Turismo de Colombia tras la reforma del año 2012. pp. 1-22. Recuperado de http://www.ual.es/revistainternacionaldedoctrinayjurisprudencia/pdfs/2013/07/articulos_comentarios-a-la-ley-general-de-turismo.pdf

Martins, J. S. (2009). Fronteira: a degradação do Outro nos confins do humano. São Paulo, SP: Contexto.

McKercher, B. (2002). Turismo de natureza: planejamento e sustentabilidade. São Paulo: Contexto.

Mejía Cubillos, I. Y. (2008). Experiencias, riesgos y potencialidades del turismo amazónico en Colombia. En: G. I. Ochoa Zuluaga (Ed.). Turismo en la Amazonia: entre el desarrollo convencional y las alternativas ambientales amigables (pp. 85-98). Bogotá, CO: Guadalupe; Universidad Nacional de Colombia.

Monteiro, A.; Ferreira, A., Rocha, J.; Lopes., Almeida, L. P.; Trindade, S.-C. Jr. (1997). O espaço amazônico: sociedade e meio ambiente. Belém, PA: UFPA; NPI.

Ochoa Zuluaga, G. I.; Builes, D. F.; Carroll, I.; Carvajal, J. J.; Gallego, L. M. (2008). Leticia: toda la Amazonia en un solo lugar: plan sectorial de turismo para Leticia y el Trapecio Amazónico colombiano. En: G. I. Ochoa Zuluaga (Ed.). Turismo en la Amazonia: entre el desarrollo convencional y las alternativas ambientales amigables (pp. 171-212). Bogotá, CO: Guadalupe.

Organização Mundial de Turismo. (2003). Guia de Desenvolvimento do Turismo Sustentável. Porto Alegre, RS: Bookman.

Patriau, E. (2014). El congresso peruano: políticas públicas e influencia informal sobre la burocracia. Perfiles Latinoamericanos, Lima, (34), pp. 103-126.

Pinto, P. M. (2017). Ecoturismo na fronteira pan-amazônica: possibilidades de gestão local em áreas protegidas do Brasil, Colômbia e Peru. Revista Brasileira de Ecoturismo, v. 9 (6), pp. 638-656.

Pinto, P. M. (2016). Políticas públicas de turismo na Pan-Amazônia: processos de gestão local em áreas protegidas na tríplice fronteira do Brasil, Colômbia e Peru (Tese de Doutorado). Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil.

Pinto, P. M. (2006). Unidades de conservação, turismo e exclusão social no Parque Estadual Serra dos Martírios/Andorinhas (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Serviço Social, Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil.

Pinto, P. M. (2000). Unidades de conservação da Amazônia: o ecoturismo no Parque Estadual da Serra dos Martírios/Andorinhas-PA. En: M. C. N. Coelho, L. T. L. Simonian; N. Fenzel (Org.). Estado e políticas públicas na Amazônia (pp. 55-69). Belém, PA: CEJUP, NAEA, UFPA.

Pinto, P. M.; Campos, R. I. R. (1993). Turismo ecológico: uma proposta de desenvolvimento sustentável para a Área de Proteção Ambiental de Belém. Belém, PA: NUMA/UFPA.

Pinto, P. M.; Simonian, L.T. L.; Monteiro, M. A. (2015). El turismo como núcleo de estudio interdisciplinario: [Re]construcción de los procedimientos y adecuaciones metodológicas. Revista Estudios y Perspectivas en Turismo, Vol. 4, pp. 450-469.

Pinton, F.; Aubertin, C. (2007). Novas fronteiras e populações tradicionais: a construção de espaços de direitos. Ateliê Geográfico. Revista Eletrônica. UFG-IESA, Vol.1, (2), dez. pp.1-26.

Quaresma, H. D. A. B. (1998). Unidades de conservação da natureza – UC’s: como instrumento de políticas públicas. Papers, Belém, NAEA, (114), dez.

Roth Deubel, A. N. (2002). Políticas públicas: formulación, implementación y evaluación. Bogotá, CO: Aurora.

Rua, M. G. (1998). Análise de Políticas Públicas: Conceitos Básicos. En: M. G. Rua; M. I. Valadão. (Org.). O estudo da Política: tópicos selecionados. (pp. 1-19). Brasilia, DF: Paralelo 15.

Rubio, R. R. (2010). Patrimonio, ocio, y rentabilidad: neoliberalismo y su impactos sobre las políticas públicas de turismo en Perú. En: R. R. Rubio. Políticas públicas, beneficios privados: mecanismos, políticas y actuaciones públicas para la globalización del turismo (pp. 201-227). Madrid: Foro turismo responsable; Aecid.

Santos, M. (1996). A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo, SP: Hucitec.

Sechi, L. (2010). Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo, SP: Cengage Learning.

Schneider, S.; Schmitt, C. J. (1998). O uso do método comparativo nas ciências sociais. Cadernos de Sociologia, Vol. 9, pp. 49-87.

Simonian, L. T. L. (2018). Políticas públicas e participação social nas reservas extrativistas amazônicas: entre avanços, limitações e possibilidades. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 48, pp. 118-139.

Simonian, L. T. L. (2000). Políticas públicas, desenvolvimento sustentável e recursos naturais em áreas de reserva na Amazônia Brasileira. En: M. C. N. Coelho, L. T. L. Simonian; N. Fenzel (Org.). Estado e políticas públicas na Amazônia (pp. 9-53). Belém, PA: CEJUP.

Simonian, L. T. L., Pinto, P. M.; Campos, R. I. R. (2007). Unidades de conservação em Martírios/Andorinhas: perspectivas ambientais, socioeconômicas, culturais e turísticas. Belém, PA: CSE, UFPA.

Teixeira, E. C. (2002). O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. Recuperado de http://www.fit.br/home/link/texto/politicas_publicas.pdf.

Teles, R. M. S. (2011). Turismo e meio ambiente. Rio de Janeiro, RJ: Campus.

Vieira, P. F.; Maimon, D. (1993). As ciências sociais e a questão ambiental: rumo à interdisciplinaridade. Rio de Janeiro, RJ: APED.

Woortmann, E. F. (2005). Método comparativo, família e parentesco: algumas discussões e perspectivas. Revista Anthropológicas, Ano 9, v. 16 (1), pp. 87-108.
Published
2019-11-21
How to Cite
Moreira Pinto, P., Lopes Simonian, L., & Palacio, G. (2019). Políticas públicas, desenvolvimento sustentável e turismo na Tríplice Fronteira Brasil, Colômbia e Peru. Amazonia Investiga, 8(24), 528-540. Retrieved from https://amazoniainvestiga.info/index.php/amazonia/article/view/1014
Section
Dossier